A Mercearia Portuguesa

A memória olfativa é mais duradoura do que qualquer outra. Tem o poder de nos transportar para momentos que irrompem de tal forma vívidos, que até parece que entrámos numa máquina do tempo. Não é por isso de estranhar que, volta e meia, lugares que visitámos há várias décadas, surjam inteirinhos à nossa frente com uma simples inspiração. Aconteceu-me recentemente, enquanto passeava à noite pelas ruas quase desertas de Évora.

Ao passar por uma porta fechada, que nem reparei ser de um estabelecimento, senti sair pela ventoinha do respirador o bafo quente e doce de uma pequena mercearia, como as que costumava frequentar na minha infância. Era um cheiro a fruta, pêssegos, uvas, alperces talvez, com um toque floral de detergente da roupa. Um cheiro que não se encontra muitas vezes nas grandes cidades, onde estes estabelecimentos estão a desaparecer tão depressa como a floresta Amazónica às mãos do Bolsonaro. Claro que continuam a existir mercearias de bairro nas cidades. Não têm, porém, aquele aroma, quase apenas encontrado em pequenas vilas ou aldeias.

A verdadeira mercearia portuguesa tem pouca luz e jamais ar-condicionado. Tem pasta de dentes quase ao lado da graxa para os sapatos. Tem pão fresco mas só até ao meio-dia. Tem produtos de produtores locais que não encontramos em mais nenhum lado. Tem um pedaço de fruta espezinhado no chão. Tem caixotes a fazer de prateleiras. Tem a Dona Miquelina ou o Senhor Abel, que vendem fiado e apontam o nosso nome num caderninho de bolso. Tem tudo e, se não tiver, venha cá para a semana que eu arranjo.

Gosto de entrar num lugar assim. Faz-me sentir em casa, ao contrário das novas mercearias geridas por indianos ou paquistaneses, que muitas vezes nem falam português; ou das mercearias de decoração contemporânea, que investem em produtos tradicionais misturados com artigos gourmet estrangeiros, tudo inflacionado para condizer com o bolso dos estrangeiros que se mudam para cá aos magotes, porque é tudo tão barato e pitoresco para os seus ordenados de quatro dígitos e IRS de 10%; ou ainda das mercearias que não passam de supermercados de grandes grupos em miniatura, com luzes intensas e cartazes publicitários, prateleiras organizadas e um tapete rolante para as compras.

Naquela noite, em Évora não o pude fazer, dado a adiantado da hora, mas, assim que o aroma de uma verdadeira mercearia portuguesa me invade o olfato, costumo entrar, observar e comprar qualquer coisa, nem que seja um simples pão. Só pelo gozo de percorrer o espaço e sentir-me abraçada por uma mistura de saudade e felicidade de ainda existirem tais lugares.

Respostas de 2 a “A Mercearia Portuguesa”

  1. Gostei. É saboroso, sabe bem.

    Gostar

  2. Avatar de Carlos De Jesus Silva
    Carlos De Jesus Silva

    Muito bom

    Enviado do meu iPad

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: